laudo de vistoria de imóvel

O que você deve analisar antes de assinar o laudo de vistoria de imóvel?

Você encontrou o imóvel dos seus sonhos e já está prestes a assinar o contrato de aluguel. Mas, antes de fazê-lo, é preciso dar atenção a um passo muito importante que, quando descumprido, pode complicar sua vida futuramente: o laudo de vistoria do imóvel.

Nem todo inquilino sabe de sua existência ou o que deve constar nesse documento, porém ele é essencial para que ambas as partes da negociação fiquem mais seguras, assim como a residência. Está na dúvida de como proceder? A CredPago ajuda! Continue a leitura.

O que é o laudo de vistoria do imóvel?

Trata-se do documento que reúne todas as informações relacionadas ao imóvel. O conteúdo dele depende de uma visita técnica, na qual toda a propriedade é fotografada e analisada, para, enfim, assegurar se o local está apto ou não para ser habitado.

Nesse arquivo são registradas as condições às quais ele está sendo entregue ao inquilino: tipos de acabamento, quantidade de portas e janelas em cada ambiente etc. Ao final do contrato, este deve devolvê-lo da mesma forma, salvo em situações acordadas entre ele e o proprietário.

Por que o laudo de vistoria do imóvel é tão importante?

A lei do inquilinato não exige a realização da vistoria em si, mas obriga o locador a “entregar ao locatário o imóvel alugado em estado de servir ao uso a que se destina (…) e fornecer ao locatário, caso este solicite, descrição minuciosa do estado do imóvel, quando de sua entrega, com expressa referência aos eventuais defeitos existentes”.

Já o inquilino, de acordo com a lei, é obrigado a “servir-se do imóvel para uso convencionado ou presumido, compatível com a natureza deste e com o fim a que se destina, devendo tratá-lo com o mesmo cuidado como se fosse seu (…) e restituir o imóvel, finda a locação, no estado que o recebeu, salvo as deteriorações decorrentes de seu uso normal”.

Em resumo, é o laudo de vistoria que vai assegurar o cumprimento da legislação, protegendo inquilino e proprietário de futuros prejuízos.

Quando e como funciona a visita?

A visita de vistoria deve acontecer antes da assinatura do contrato de aluguel e entrega das chaves ao inquilino. Essa é chamada de vistoria de entrada. Vale ressaltar que o mesmo procedimento, dessa vez para checar como o inquilino está deixando o lugar, deve acontecer ao término do contrato (considerando que ele não será renovado).

O processo é realizado por profissionais habilitados, que tenham as competências necessárias e uma profunda experiência nesse tipo de avaliação. Geralmente, as imobiliárias contam com esse tipo de serviço, no papel do vistoriador. Na prática, ele faz a visita, coletando todas as informações e registrando as imagens para, assim, anexar ao contrato e, assim, finalizar a negociação com a entrega das chaves.

O que deve ser analisado antes de assinar o laudo de vistoria do imóvel?

Antes de assinar o laudo de vistoria, o inquilino deve dar atenção aos mínimos detalhes de como o apartamento/casa está sendo entregue e compreender quando a manutenção é responsabilidade do proprietário.

Conferir ponto a ponto é o que vai ajudar você a não cair em armadilhas ou arcar com prejuízos a curto prazo. Os aspectos que constam no documento são os que separamos a seguir. Veja.

Paredes

A pintura é recente? Tem papel de parede em alguma parte da casa? Apresenta avarias? Todas essas questões têm de ser analisadas, assim como o material com que foram feitas, se são de alvenaria, se o acabamento é fosco ou com brilho, a cor atual etc.

Portas e janelas

Aqui cabem as mesmas especificações. Quantas portas e janelas há no imóvel? De que material foram feitas? Como está a pintura? Tem verniz? Detalhar sobre o estado das fechaduras e maçanetas também é importante, inclusive detalhes mais específicos que possam conter, como dobradiças e batentes.

Piso

Quem já fez reforma no apartamento sabe que o piso é uma das áreas que se desgasta em menos tempo e com maior facilidade. Por isso, no laudo de vistoria, ele é um dos pontos mais importantes, que merece uma atenção dobrada. É necessário informar de que tipo são: porcelanato, cerâmica, lajota etc., bem como seu estado de conservação.

Teto

O imóvel tem forro? É de gesso, de PVC ou de madeira? É preciso avaliar se está em boas condições, sem apresentar mofo e se está limpo. Cada tipo de teto pede um processo de limpeza diferente, então é essencial atentar para esse detalhe.

Instalações elétricas e hidráulicas

Um dos principais motivos de dor de cabeça para os novos inquilinos são os eventuais problemas que surgem nas instalações elétricas e hidráulicas; seja porque o imóvel já não foi entregue em boas condições ou por conta dos detalhes referentes a elas não terem sido explicados de forma efetiva.

O laudo deve informar a quantidade de interruptores elétricos e tomadas em cada cômodo, bem como seu estado, material e marca. Caso haja luminárias ou lustres, também devem ser incluídos. O local do quadro de energia deve ser sinalizado.

Na parte hidráulica é importante dar atenção a qualquer possível vazamento, se há infiltrações, mofo, umidade etc. Quanto mais tempo o imóvel passa desocupado, mais chances de apresentar problemas desse tipo — e o inquilino deve ser informado sobre todos eles.

No laudo também deve constar sobre a última manutenção da caixa d’água, a situação das descargas, torneiras e chuveiros, bem como se os registros estão abrindo e fechando normalmente.

Acessórios do imóvel

Caso o lugar conte com acessórios — como ar-condicionado, churrasqueira, piscina, sensores de movimento etc. — isso deve ser informado no laudo e entregue sem defeitos ao inquilino. Naturalmente, se as vantagens foram apresentadas na propaganda do local, ele deve ser repassado nessas condições.

Quantos itens para se prestar atenção, não é mesmo? Por isso, é essencial contar com uma imobiliária bem assessorada, que oferte o serviço de vistoriador. Esses profissionais são habilitados a fazer observações precisas e entregar o imóvel nas melhores condições — com aval de inquilino e proprietário. Quando essas questões não são bem avaliadas, o prejuízo para as partes pode ser bem pior que a quebra da negociação.

Agora que você sabe como analisar o laudo de vistoria do imóvel, que tal descobrir como passar pelo processo de aluguel sem fiador? Continue em nosso site e acesse agora mesmo a nossa página especial sobre o assunto!

Cadastre-se para receber conteúdo exclusivo

Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade.

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.
Ops! Captcha inválido, por favor verifique se o captcha está correto.

Fale o que você pensa

O seu endereço de e-mail não será publicado.